Publicidade

terça-feira, 20 de agosto de 2013 música | 10:00

Justin Timberlake + Jay Z: parceria improvável que deu (muito) certo

Compartilhe: Twitter

Confesso que a expectativa não era das mais altas. Show com dois megastars juntos, dividindo o palco – me lembra performances mal ensaiadas feitas para eventos como o Grammy. Mas Justin Timberlake + Jay Z funciona (e muito bem).

Vi o show no Sun Life Stadium (onde jogam os Dolphins), em Miami, na sexta à noite. Foi o último da turnê Legends of the Summer, na qual Justin e Jay Z excursionaram pelos EUA e Canadá em 14 datas.

A turnê tomou o noticiário pop dos EUA nas últimas semanas. Não à toa. Jay Z e Justin não são apenas dois bons músicos – são dois bons músicos estupidamente populares com trajetórias bem distintas (um saiu do gueto, o outro, de programa infantil da TV) que convergem em um ponto comum: um quer conquistar o público do outro.

Jay Z tem nas mãos o exigente fã de rap, majoritariamente masculino; Justin é seguido por uma massa adolescente majoritariamente branca e feminina. É uma união ganha-ganha.

A iniciativa não teria efeito se, no palco, não houvesse entrosamento. Mas é impressionante como a dinâmica flui naturalmente, como se o show fosse de uma banda com dois vocalistas.

Justin Timberlake canta uma faixa: Jay Z participa adicionando vocal. Quando o rapper é o protagonista, Justin acompanha tocando guitarra ou teclado. Ou, quando um dá lugar ao outro no palco, a mudança ocorre de forma quase imperceptível. Em um momento Justin canta “Señorita”; logo em seguida, Jay Z aparece com “On to the Next One”.

Os novos discos de Justin Timberlake e Jay Z podem até não ser pontos altos da carreira dos dois, mas ao vivo a coisa muda de figura. A primeira música da apresentação, “Holy Grail”, de Jay Z, ganha vigor com a combinação de emoção (Justin) e energia (Jay Z).

Os dois vão trocando o protagonismo, tão à vontade que parecem estar brincando num estúdio. Tocam um trecho de “I Want You Back”, do Jackson 5. Na primeira parte do show, a dupla vai mais ou menos se revezando: “Izzo” e “Excuse Me Miss” (de Jay Z), depois “Señorita”, aí “On to the Next One”, que puxa “Like I Love You” e “My Love” (Justin).

Aí entramos na “parte Jay Z”, em que o rapper toma conta do palco por sete faixas. “Jigga What, Jigga Who”, “99 Problems” (esta com Justin na guitarra), “FuckWithMeYouKnowIGotIt” (com a presença de Rick Ross) e o hino “Hard Knock Life” mostram que poucos MCs alcançam o poder vocal de Jay Z.

A “parte Justin” faz do sun Life Stadium um enorme salão de baile. “Pusher Love Girl”, “LoveStoned”, “Cry Me a River”, “Take Back the Night”, “What Goes Around… Comes Around”: o cantor passeia tranquilamente de uma lenta balada a um funk encorpado.

No último quarto do show, os dois voltam a dividir o palco. É emocionante ver Justin cantar (com a ajuda apenas um suave piano) “New York New York” e, em seguida, Jay Z emendar “Empire State of Mind”. Já em “SexyBack”, Justin chama o produtor-cantor Timbaland. Nem precisava. Ou precisava – para notarmos como o brilho de Justin Timberlake no palco ofusca até um cara como Timbaland.

No último show da turnê, o bis é uma celebração, com “Suit & Tie” e (a cafona) “Young Forever”. São 37 músicas (algumas em versões reduzidas) em mais de duas horas de duração. Os dois se separam. Jay Z partirá para uma turnê europeia que começa em outubro (ainda nada de Brasil). O próximo show de Justin Timberlake será no Rock in Rio, em 15 de setembro. O Brasil verá um performer completo.

Autor: Tags: ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 Eidur Rasmussen de Sousa 20/08/2013 10:09

    É sério que você acha isso legal? É uma tremenda merda. Acorde.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.