Publicidade

Arquivo de agosto, 2013

quinta-feira, 1 de agosto de 2013 música | 17:25

Moses Sumney, ou A Voz

Compartilhe: Twitter

Moses Sumney tem 23 anos, nasceu na Califórnia, passou anos em Gana, voltou aos EUA, começou a fazer música do nada e, hoje, é dono desta maravilha.

“Replaceable”, o vídeo, foi gravado em apenas um take por Brian B+ Cross, diretor que já trabalhou com J. Dilla, Mulatu Astatke, Nas e Banksy e que, ainda, tem laços fortes com o Brasil: filmou Arthur Verocai e colocou Wilson das Neves, Ivan Conti e João Parahyba dentro do documentário “Brasilintime: Batucada com Discos”.

Bem, voltando a Moses Sumney. O cara é impressionante. Não apenas pela voz, mas também pelo modo como produz suas músicas, muitas delas apresentadas com não muito mais do que pedais de loops (como no vídeo de “Replaceable”).

Sumney, que já trabalhou como jornalista no semanário LA Weekly, é cria direta dessa música nova que não guarda fronteiras nem obedece a estilos rígidos (a Spin o chama de “soul-folk warrior”).

Dá para conectar as faixas de Sumney a TV on the Radio (a voz lembra bem a de Tunde Adebimpe), a Dirty Projectors, a James Blake (faz um cover ótimo de “Lindisfarne”) ao afrobeat (ele diz que se influenciou bastante por Jeff Buckley, Ella Fitzgerald, Ray LaMontagne e José Gonzalez).

Além de “Replaceable”, dá para ouvir de Sumney, abaixo, três faixas: “Dwell in the Dark”, “Lost & Found” e “Lindisfarne”, o cover de James Blake.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última