Publicidade

Arquivo de agosto, 2014

quarta-feira, 27 de agosto de 2014 música | 17:13

Música no museu: John Grant

Compartilhe: Twitter

johngrant

“I still keep trying to figure out how I became irrelevant/ How I got myself evicted from his heart from one day to the next/
And the worst part is that, even if I got an answer right now/ It would not change anything because we have become two strangers”.

Trecho de “It Doesn’t Matter to Him”, faixa dilacerante que está em “Pale Green Ghosts”, um dos discos de 2013, o segundo do grande John Grant.

Grant cantou a música em uma performance dentro da Tate, um dos principais espaços de arte do Reino Unido. Um espetáculo.

Autor: Tags:

terça-feira, 26 de agosto de 2014 música | 16:31

Wannabe Jalva: Três faixas para ouvir

Compartilhe: Twitter

wannabejalva

Ouvimos “One Way Street” e não sabemos de onde saíram esses caras que às vezes nos lembram a maluquice do Flaming Lips, às vezes um Pink Floyd tipo “The Piper at the Gates of Dawn”. Mas eles são do Rio Grande do Sul.

Em Porto Alegre, o quarteto Wannabe Jalva prepara o segundo disco, que deve sair em 2015. Antes, a banda solta em outubro o EP “Collecture”, que traz cinco faixas. Abaixo, seguem três delas, todas bem boas – “One Way Street” saiu nesta semana.

A banda, que já provoca certo barulho em blogs e publicações gringas, tem alguns shows marcados nos EUA em outubro. E fazem algumas apresentações em São Paulo, Sorocaba e Porto Alegre nos próximos dias. As datas estão ao final do post.

Wannabe Jalva no Beco 203
Com Bidê ou Balde
Sexta, 5 de setembro, às 20h
Rua Augusta, 609, Consolação, São Paulo-SP
Ingressos: R$ 40
Censura: 18 anos
Capacidade: 600 lugares
Telefone: (11) 3774-0358

Wannabe Jalva no Asteroid Entretenimento
Com Bidê ou Balde
Sábado, 6 de setembro, às 21h
Rua Aparecida, 737, Vila Santana, Sorocaba-SP
Ingressos: R$ 25
Censura: 18 anos
Capacidade: 400 lugares
Telefone: (15) 3329-2767

Wannabe Jalva no Espaço Cultural Puxadinho da Praça
Com Single Parents
Domingo, 7 de setembro, às 17h
Rua Belmiro Braga, 216, São Paulo-SP
Ingressos: R$ 15
Censura: 18 anos
Capacidade: 100 lugares
Telefone: (11) 2597-0055

Autor: Tags:

música | 14:47

Richard Fearless – “Gamma Ray”

Compartilhe: Twitter

richardfearless

Richard Fearless é um cara que não se apega ao convencional. Desde a época em que liderava o Death in Vegas, banda que anteviu no final dos anos 1990, de forma menos celebratória e mais sombria, a união entre rock e eletrônica que seria o combustível do disco-punk do início dos anos 2000.

Com o Death in Vegas hibernando, Fearless está soltando faixas próprias, em que deixa em primeira mão a veia eletrônica. Ele lançou em abril o EP “Higher Electronic States”, agora reaparece com a fantástica “Gamma Ray”, um passeio meio ácido, meio espacial que ganhou um remix do Legowelt.

Abaixo, a original e o remix. Em seguida, “Scorpio Rising”, faixa do disco homônimo do Death in Vegas que tem vocal do Liam Gallagher.

Autor: Tags:

segunda-feira, 25 de agosto de 2014 música | 18:54

Taylor Swift e a construção de uma popstar

Compartilhe: Twitter
Taylor Swift no VMA 2014 - Mark Davis/Getty Images

Taylor Swift no VMA 2014 – Mark Davis/Getty Images

Algumas coisas que a gente aprendeu com o VMA 2014:

– que a Jessie J. ainda existe;
– que se a música pop fosse um reinado, o trono seria hoje ocupado por Beyoncé;
– que a Taylor Swift é a mais profissional e bem preparada jovem cantora pop do mundo.

Taylor Swift é um exemplo de como uma boa cantora pode ser transformada em uma popstar. Lançou o primeiro disco em 2006, quando tinha 16 anos. Era fã de country, por isso modelou suas canções a partir de nomes consagrados do gênero, como Dolly Parton e Dixie Chicks. Mas, esperta, adicionava toques contemporâneos à tradição country – o hit “Tim McGraw” é uma prova.

Os discos seguintes continuaram nessa linha “novo country”, amparados por letras confessionais e acima da média. Um detalhe importante: TODOS os discos de Swift foram lançados na mesma época, entre o final de setembro e o final de outurbo. Esse período, dentro do outono no hemisfério norte, é tradicionalmente bom para as vendas de discos – até pela proximidade com o Natal.

Esse cronograma exige uma disciplina rigorosa. Taylor Swift e sua equipe sabem quando ela tem de sair em turnê, por quanto tempo, quando sai em férias e quando começa a gravar. Profissionalismo puro.

Mas a country music estava ficando pequena para Taylor Swift. Por isso, no disco “Red” (2012), ela começou a se aproximar do pop eletrônico.

Essa movimentação ficou explícita em “1989”, álbum que sai em outubro. De novo: esperta, Taylor Swift evita desagradar aos fãs que a acompanham desde o começo e anuncia o disco como o seu “primeiro disco oficial de pop”. Se antecipa à chiadeira (que, claro, está acontecendo): esta é uma nova Taylor Swift.

E a nova Taylor Swift é ainda tão boa ou melhor do que a antiga. A primeira faixa de “1989” (referência ao seu ano de nascimento), “Shake It Off”, é uma perfeição pop que, no refrão, brinca: “Haters gonna hate, hate, hate/
I’m just gonna shake, shake, shake”.

Provavelmente no início do ano que vem, Taylor Swift sai em turnê pelo mundo. Como as duas anteriores, deve começar em fevereiro/março de 2015 e terminar em março/abril de 2016. Quando Taylor Swift irá se preparar para o sexto disco. Que deverá ser lançado em setembro/outubro de 2016.

Não sei se Taylor Swift tira de Beyoncé o título de rainha do pop. Mas ela já tem o traquejo (e o profissionalismo) de uma princesa.

Autor: Tags:

terça-feira, 19 de agosto de 2014 música | 14:07

Leonard Cohen: aos 80 anos, ainda atual e incisivo

Compartilhe: Twitter
Leonard Cohen em show em 2012 - Mike Lawrie/Getty Images

Leonard Cohen em show em 2012 – Mike Lawrie/Getty Images

O canadense Leonard Cohen tem 80 anos e em setembro lança o disco “Popular Problems”, o 13º de uma carreira artística iniciada em 1956 – não como cantor, mas como poeta.

A literatura apareceu para Cohen antes do que a música, e em suas canções as melodias são coadjuvantes das letras (e do tom sisudo de sua voz). Ainda hoje, mantém-se (bem) atual e incisivo, como demonstra em “Almost like the Blues”, primeira faixa a emergir do novo disco.

Após o vídeo com a música, seguem a letra e a lista de canções de “Popular Problems”.

A letra de “Almost like the Blues”:

I saw some people starving
There was murder, there was rape
Their villages were burning
They were trying to escape

I couldn’t meet their glances
I was staring at my shoes
It was acid, it was tragic
It was almost like the blues
It was almost like the blues

I have to die a little
Between each murderous plot
And when I’m finished thinking
I have to die a lot

There’s torture, and there’s killing
And there’s all my bad reviews
The war, the children missing, lord
It’s almost like the blues
It’s almost like the blues

Though I let my heart get frozen
To keep away the rot
My father says I’m chosen
My mother says I’m not

I listened to their story
Of the gypsies and the Jews
It was good, it wasn’t boring
It was almost like the blues
It was almost like the blues

There is no God in heaven
There is no hell below
So says the great professor
Of all there is to know

But I’ve had the invitation
That a sinner can’t refuse
It’s almost like salvation
It’s almost like the blues
It’s almost like the blues

O disco “Popular Problems”:

1 – “Slow”
2 – “Almost like the Blues”
3 – “Samson in New Orleans”
4 – “A Street”
5 – “Did I Ever Love You”
6 – “Me Oh My”
7 – “Nevermind”
8 – “Born in Chains”
9 – You Got Me Singing”

Autor: Tags:

sexta-feira, 15 de agosto de 2014 música | 14:28

O pop bobo e delicioso de Shannon Saunders

Compartilhe: Twitter

saunders

Descartável, boba e deliciosa. Assim é “Sheets”, música da britânica Shannon Saunders, 20 anos.

Saunders criou-se no YouTube, onde publicava vídeos cantando covers e fez um respeitável número de fãs. De lá foi contratada pela gigante Warner, que já prepara um disco e monta uma operação para fazer de Shannon Saunders um nome conhecido.

Nada até aqui tinha me feito parar para prestar atenção em Saunders, até esta “Sheets”. Se você não quer ficar com essa música na cabeça, não clique no áudio abaixo.

Autor: Tags:

quinta-feira, 14 de agosto de 2014 música | 14:42

Afghan Whigs e o cover do Police

Compartilhe: Twitter

aw

A cultuada banda Afghan Whigs lançou o sétimo disco, “Do to the Beast”, em abril deste 2014, depois de ter ficado 16 anos sem soltar nada.

Durante as gravações do álbum, o grupo fez algumas brincadeiras, como uma versão para “Every Little Thing She Does Is Magic”, o hit do Police.

“E quando eu estava mixando o disco o engenheiro de som disse: ‘Hey, o que é essa Every Little Thing?’. Ele tocou e eu disse ‘Oh yeah!’. E ele: ‘Você quer manter esse vocal? Você provavelmente poderia soar melhor’. Então eu regravei e esqueci dessa música”. Este é o vocalista Greg Dulli à “Entertainment Weekly”.

Bem, a música não entrou no disco, mas foi passada para a “EW”, que a colocou no ar – ainda bem, porque o cover é bem bom.

Autor: Tags:

terça-feira, 12 de agosto de 2014 música | 14:54

O bom retorno do Inspiral Carpets

Compartilhe: Twitter

inspiralcarpets

Ah, o início dos anos 1990. Quando a gente ainda tinha cabelo, usava calças baggy, era apaixonado pela Alicia Silverstone e ouvia Inspiral Carpets.

Nome que deve soar estranho para quem hoje tem menos de 30 anos, o Inspiral Carpets ajudou a sonorizar uma época, meio que entre 1990 e 1995, e, ao lado de bandas como Happy Mondays e Stone Roses, levou a dance music para o rock. Músicas como “Saturn 5”, “Joe” e “This Is How It Feels” embalaram muits noites “indie dance” em clubinhos de São Paulo, tipo Matrix, Borracharia.

Bem, voltando a 2014, o Inspiral Carpets vai lançar disco ainda neste mês (o nome: apenas “Inspiral Carpets”). E o primeiro single, “Spitfire”, é bem bom. A música ganhou um vídeo, com a banda tocando em um mosteiro de Manchester.


Inspiral Carpets – Spitfire on MUZU.TV.

Autor: Tags:

quinta-feira, 7 de agosto de 2014 música | 18:19

Gang do Eletro – “Tubagás”

Compartilhe: Twitter

Saiu o clipe de “Tubagás”, um dos pontos altos do disco da Gang do Eletro. Música ótima, vídeo idem.

Autor: Tags:

música | 17:48

FKA Twigs: uma cantora para quem procura música original e sem fronteiras

Compartilhe: Twitter
FKA Twigs no Pitchfork Festival 2014 - Daniel Boczarski/Getty Images

FKA Twigs no Pitchfork Festival 2014 – Daniel Boczarski/Getty Images

A Beyoncé fazendo trip hop. Uma parceria entre Neneh Cherry e James Blake. Esses dois encontros imaginários me vieram à cabeça ao ouvir a surpreendente FKA Twigs.

FKA Twigs é o nome de Tahliah Barnett, uma inglesa filha de pai jamaicano. Ela nem chega a ser muito nova (tem 26 anos), mas depois de um tempo em que se apresentava com outro nome (apenas Twigs), está para lançar o primeiro disco. O “LP1” sai na semana que vem, e sucede dois EPs apropriadamente chamados “EP1” e “EP2”.

Cosmopolita e ambiciosa, a música de FKA Twigs é fruto de uma voz acolhedora, que nos remete a grandes cantoras de r&b, e de uma base eletrônica que parece saída de uma trilha de um filme distópico. Original, conectada, sem fronteiras, é música que não tenta recriar o passado – só poderia estar sendo feita em 2014.

FKA Twigs já lançou dois vídeos, para “Two Weeks” e “Pendulum”. Nesta semana, ela passou pelo programa do Zane Lowe, na Radio 1, onde deu uma pequena entrevista e apresentou ao vivo três faixas – as duas anteriores e “Give Up”. No final de julho, fez show na Heaven, em Londres, e tocou “Water Me” (do “EP2”). Tudo abaixo.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última