Publicidade

Posts com a Tag arte

quarta-feira, 23 de outubro de 2013 Cultura pop | 12:40

O verdadeiro Banksy, os falsos Banksys e a esfinge roubada de Banksy

Compartilhe: Twitter

Banksy é o maior artista vivo? Talvez, como revela a “ocupação” que este inglês está promovendo em Nova York.

banksyesfinge

Neste outubro, Banksy realiza uma ação por dia na cidade norte-americana. Pode ser um desenho ironizando uma proibição, uma pichação, um vídeo em que rebeldes árabes matam o Dumbo, uma tiração de sarro com gente pedante, um caminhão que simula um abatedoudo em trabalho chamado “Sirens of the Lambs”, uma performance na qual vendeu por US$ 60 obras originais que no mercado de arte chegam a custar US$ 500 mil; uma escultura que ironiza o McDonald’s, uma parceria com Osgemeos.

Provocador e irônico, o autor do filme “Exit Through the Gift Shop” intervém na paisagem das ruas e mexe com as pessoas. Suas obras repercutem.

Por exemplo, a performance no Central Park, na qual vendeu as obras por US$ 60. Dos 40 trabalhos, Banksy vendeu apenas três, mas a iniciativa movimentou o noticiário. Uma semana depois, três artistas replicaram a ação: montaram uma banquinha no parque e colocaram uma placa: “Fake Banksy”. Cada réplica das obras de Banksy era vendida por US$ 60 e acompanhada de um “certificado de inautenticação”. Dave Cicirelli, George Gross e Lance Pilgrim venderam tudo.

banksyesfinge2

“(Nossa ação) era idêntica à de Banksy, mas com duas diferenças”, escreveu Cicirelli em seu blog. “A percepção do público mudou. E nosso trabalho não vale nada.” Banksy, em sua performance, havia cutucado o mercado de arte e o valor que colocamos em uma obra. E gerou uma nova performance.

Uma pichação motivou críticas ao inglês. Banksy escreveu “Gueto 4 Life” em um muro no Bronx, acompanhado pelo desenho de um garoto e um mordomo. Alguns moradores do bairro ficaram furiosos. “É uma forma fácil de perpetuar o que as pessoas pensam do South Bronx. É desrespeitoso. Ninguém vem morar aqui porque quer ser gueto”, disse uma moradora.

Na terça (22), Banksy foi ao Queens e montou uma escultura em concreto que é uma réplica da esfinge de Gizé, no Egito. Pois na mesma terça a escultura foi roubada. Segundo o New York Post, um caminhão parou no local e uma mulher pagou 20 homens para colocarem a escultura dentro do veículo. Fãs do artista que estavam no local naquele momento ficaram revoltados, mas a obra foi levada.

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 2 de março de 2012 cultura | 17:22

Tênis dentro da galeria de arte

Compartilhe: Twitter

“Causa-Efecto” é o nome da mais recente obra da espanhola Ana Soler. Na galeria Mustang Art, em Alicante, ela espalhou 2 mil bolas de tênis, penduradas pelo teto, simulando movimento das bolas por paredes, teto e chão.

Daqui.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 10 de agosto de 2011 cultura | 20:31

O carro que sonha

Compartilhe: Twitter

Braincar é o carro que sonha, projeto do artista holandês Olaf Mooij.

É, basicamente, uma enorme escultura multimídia colocada na traseira de um carro.

Durante o dia, o “cérebro” capta imagens dos locais visitados pelo carro. À noite, ele exibe essas imagens remixadas.

Está exposto no ZKM, em Karlsruhe (Alemanha).

Vi aqui. Abaixo, um vídeo com o carro sonhando.

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 4 de agosto de 2011 cultura | 13:57

Dunas de CDs

Compartilhe: Twitter

Os CDs estão morrendo para a música, não para a arte.

A artista francesa Élise Morin utilizou 65 mil disquinhos para criar a espetacular instalação Wastelandscape, que ocupa 600 metros quadrados da Le Centquatre, em Paris.

A instalação fica no local até 10 de setembro – depois, viaja a outras cidades.

“Feito a partir de petróleo, esses CDs formam um metálico mar de dunas”, disse Morin.

Após as fotos, um vídeo mostra o making of da instalação.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 1 de junho de 2011 Cultura pop | 13:40

Quando a cultura pop vira dólares

Compartilhe: Twitter

“American Iconomics” é o nome da exposição em cartaz na Shooting Gallery, em San Francisco (EUA), com dois artistas: James Charles e Akira Beard.

Enquanto Beard trabalha com representações de ícones pop em diversos materiais, Charles também utiliza a cultura pop como eixo, mas tendo como suporte notas de dólares.

Nascido em 1963, Charles desenhava monstros e celebridades em cima das imagens de presidentes dos EUA estampadas nas notas. Resolveu levar o trabalho a sério e, com uma tinta especial, passou a desenhar figuras da cultura popular no centro dos dólares.

Mais detalhes sobre a mostra estão aqui. Abaixo, os dólares de James Charles. Conhece as figuras?

Autor: Tags: ,