Publicidade

Posts com a Tag tyler

terça-feira, 24 de maio de 2011 música | 12:31

Tyler, the Creator x "Cidade de Deus"

Compartilhe: Twitter

Já comentei aqui sobre o Tyler, the Creator, novo nome tão interessante quanto polêmico. O líder do coletivo Odd Future lançou há pouco seu primeiro álbum, “Goblin”, e o vídeo oficial da faixa “Yonkers”.

Agora surge um novo vídeo, nada oficial. Um videomaker, Miguel Bidarra, fez um clipe da faixa “Analog” usando imagens de “Cidade de Deus”.

Não é uma novidade (para Bidarra). Ele já havia feito coisa semelhante com The Weeknd, Gill Scott-Heron e Radiohead. Estão todos aqui.

Abaixo, Tyler, the Creator versus “Cidade de Deus”.

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 10 de maio de 2011 música | 09:18

Tyler, a voz de 2011

Compartilhe: Twitter

“Ei, não faça nada do que eu digo nesta música, ok?”.

É o primeiro verso de “Radicals”.

A faixa segue, com um sem número de “fucks” direcionados a gays, a policiais, a escolas, a religiões, aos padrões de costume.

“Radicals” é uma pedrada niilista que resume o espírito de “Goblin”, o segundo disco de Tyler, the Creator, norte-americano de 20 anos que odeia tudo e todos, mas que deve ser (já é) uma das vozes mais ouvidas dentro da música produzida atualmente.

Tyler possui uma série de características que o colocam como um dos artistas mais irresistivelmente interessantes do mundo. Faz música complexa (letras que vão do agressivo ao paranoico; sarcásticas, violentas, delirantes), de temática abrangente (rap que se aproxima do rock, com referências a skate, TV, cinema) e, não menos importante, ele sabe usar a internet como uma metralhadora de divulgação.

Líder do coletivo de hip hop Odd Future, Tyler pilota um site decente e informativo, desenha camisetas e a capa de seus discos, comanda um Twitter em que dispara mais “fuck” por minuto do que Christian Bale em um dia ruim e dirige vídeos que ganham mais de oito milhões de visualizações no YouTube (abaixo, ele explica, em entrevista em inglês, como fez o clipe de “Yonkers” e fala das letras que brincam com contradições).

Nas 15 músicas de “Goblin”, que acaba de ser lançado, há citações a morte, suicídio, estupro, violência (Por isso há quem coloque Tyler dentro do horrorcore, sub-gênero do rap que tem gente como Necro, Insane Clown Posse, Geto Boys). Mas são temas tratados de maneira surrealística e irônica. E Tyler tem um talento tremendo, cria as letras com uma métrica irrepreensível, com versos que costuram rimas fluidas e desconcertantes.

As bases das músicas são secas, até simplórias. Não há muitos recursos eletrônicos. Tyler coloca sua voz em primeiro plano e é ela que dita o ritmo.


(“Tron Cat”)

“She”, “Fish” e “Analog” são as exceções, faixas que trocam os ruídos nervosos por melodias que lembram o r&b.


(“She”)

Ao vivo, as músicas ganham peso, com energia punk. Como “Sandwitches”, tocada pelo Odd Future no festival Coachella em abril.

Paranoica, verborrágica, sarcástica, niilista. É voz de Tyler, the Creator, é a voz de 2011.

Autor: Tags: , , , ,